Qual regime de bens devo escolher para o meu casamento?

Qual regime de bens devo escolher para o meu casamento?

Conheça os quatros tipos de comunhão

  Os regimes de bens são, resumidamente, um conjunto de regras que visam proteger o patrimônio dos noivos e são escolhidos antes do casamento. Tais regras definem e disciplinam como os bens irão ser administrados e partilhados. Com este conceito e adentrando ao questionamento do título deste texto, de “Qual regime de bens devo escolher para o meu casamento?”, a resposta é: dependeIsto porque, a escolha dependerá da realidade de cada um dos noivos, a fim de que se traduza aquela que melhor se amolda dentro da vontade do casal.

De qualquer forma e com o propósito de auxiliar na escolha do melhor regime, é importante conhecer o significado de cada comunhão, que conforme o Código Civil é dividido basicamente em quatro tipos:

(i) Comunhão parcial;

(ii) Comunhão universal;

(iii) Separação total e

(iv) Participação final nos aquestos.

 

(i) comunhão parcial: se compartilha somente aquilo que foi adquirido durante o casamento.

 Possui como vantagem a preservação do patrimônio particular de cada um, formado antes do matrimônio. Nessa concepção, o casal deve estar ciente que entrarão na partilha apenas os bens que foram adquiridos na constância do casamento, pouco importando quem pagou quanto.

(ii) COMUNHÃO UNIVERSAL: nesse regime todos os bens e dívidas adquiridos pelos cônjuges, antes ou depois do casamento, integram o patrimônio comum que será partilhado na hipótese de divórcio.

A vantagem dessa comunhão é que não há discussão sobre a propriedade do patrimônio, todos os bens integram um montante comum, que será dividido pela metade. Por outro lado, é importante dizer que os cônjuges respondem também por todas as dívidas contraídas pelo outro, mesmo antes do casamento.

(iii) separação total: cada cônjuge mantém seu patrimônio próprio, adquirido antes ou durante o casamento. Não há partilha. Em caso de divórcio, cada um leva o que já tinha e o que adquiriu em seu nome. Somente será partilhado aquilo que estiver em nome de ambos.

(iv) participação final nos aquestos: é o levantamento de todos os valores pagos por cada cônjuge, podendo aquele que pagou mais reivindicar uma parte maior. O cálculo é feito caso a caso, de acordo com o investimento individual. Tal regime é pouco escolhido face os impasses de se realizar uma eventual partilha de bens, já que é necessário calcular a fração que cabe a cada um. Portanto, a dificuldade e os custos para avaliação de cada bem pode prejudicar a opção por esse regime.

 

Ademais e indo além, quando se trata da escolha do regime de bens que vigorará na constância do casamento, outras dúvidas também surgem sobre o tema, as quais se apontam:

 (a) O que é pacto antenupcial?

 A escolha do regime deverá ocorrer antes do casamento, através do pacto antenupcial, que em outras palavras é um contrato em que os noivos fazem, onde estipularão algumas regras do matrimônio. Na hipótese do casal não escolher o regime de bens que gostariam de aderir ou se o pacto antenupcial for considerado nulo ou ineficaz, o regime que será posto será o de comunhão parcial (regra geral).

 (b) É possível alterar o Regime de Bens após o casamento?

 Sim! Conforme o Código Civil é admissível alteração do regime de bens, mediante autorização judicial, com concordância de ambos os cônjuges, apurada a procedência das razões e desde que não prejudique direitos de terceiros.

 (c) Qual o regime de bens para a União Estável?

 Se não for estipulado e não se enquadrar nos requisitos do regime da separação obrigatória (o qual será visto abaixo) vigorará o regime de comunhão parcial.

 (d) Existe algum regime que a separação seja obrigatória?

  Sim. Existem algumas hipóteses, decorrentes de lei, em que obrigatoriamente haverá o Regime de Separação Total de Bens, como por exemplo:

  • Pessoa maior de 70 anos;
  • O(a) viúvo(a) que tiver filho do cônjuge falecido, enquanto não fizer inventário dos bens do casal e der partilha aos herdeiros;
  • O(a) divorciado(a), enquanto não houver sido homologada ou decidida a partilha dos bens do casal;
  • O tutor ou o curador e os seus descendentes, ascendentes, irmãos, cunhados ou sobrinhos, com a pessoa tutelada ou curatelada, enquanto não cessar a tutela ou curatela, e não estiverem saldadas as respectivas contas. 

 Assim, como visto até aqui, a escolha do melhor regime deverá ser através de uma análise da realidade dos envolvidos, bem como aquela que atenda aos interesses do casal, que deverão manter um diálogo sincero e saudável sobre as finanças pessoais, do casal e principalmente dos projetos para a vida conjunta.

 

 

overmelhinho casamento ensino família facebook siteovermelhinho famílias serragaucha leitura qualidadedevida palestra educação estilodevida dicas redesociais site farroupilhars aprendizado farroupilha appovermelhinho reflexão inspiração RS app web sitedovermelhinho negócios relacionamentos

Comentários: